Todo e qualquer fato pode ser associado à geografia. Não é a toa que ela é a disciplina da atualidade.

A recessão européia…

Hoje, quase todos os grupos que representavam países europeus, no terceiro ano, conseguiram apresentar seus trabalhos.

Uma constante, foi a crise de 2008. Todos, sem excessão, TODOS os países foram afetados pela crise que teve início em 2008 nos EUA e se alastrou para o restante do mundo (principalmente para os países desenvolvidos).

A RECESSÃO, deveria ter sido a palavra do dia. Uma vez que ocorreu na maioria dos países citados.

Mas, o que é recessão?

basicamente é uma fase de contração no ciclo econômico, isto é, de retração geral na atividade econômica por um certo período de tempo, com queda no nível da produção (medida pelo Produto Interno Bruto), aumento do desemprego, queda na renda familiar, redução da taxa de lucro e queda do nível de investimento.

Segundo o site da NOVA ESCOLA, recessão pode ser um dos sinônimos para crise, mas está ligada mais estritamente a um fenômeno econômico (…) quando uma recessão é branda, as pessoas ficam desempregadas, mas por pouco tempo. Se  é longa, pode-se ficar sem trabalho por longos períodos. “É o que aconteceu na Espanha. Em dois meses, dois milhões de pessoas perderam seus empregos. E o pessoal continua na mesma situação. Isso é uma recessão forte”, afirma o professor de Economia da USP, Manuel Enriques Garcia.

Um dos países em que a crise veio com muita força, foi a Grécia. Segundo dados da Revista Carta na Escola, o FMI e os principais países da zona do Euro, prometeram socorrer a Grécia com nada mais, nada menos que 110 bilhões de euros.

É claro que, esse ‘big’ pacotão, veio com uma série de sacríficios ao povo grego (congelamento dos salários dos funcionários públicos, até 2014, aumento de 21% para 23% nos impostos, 10% em cigarros, adiamento  de aposentadorias em pelo menos 3 anos, entre outros…) que logo foi a rua protestar.

Outra nação descontente é a alemã. Para os alemães, obrigados durante anos a sacrificar salários e bem-estar social em nome da competitividade e das finanças  do país, é insulto serem chamados a ‘socorrer’ países que, segundo os jornais conservadores, são ‘preguiçosos’ e ‘viveram acima de suas posses’.

Dá até pra lembrar de uma das fábulas de Esopo que foi recontada por La Fontaine, enquanto a formiguinha trabalhava o ano inteiro, a cigarra só dançava e cantava. Até que chegou o frio e tenebroso inverno. (A formiga nunca empresta, nunca dá, por isso junta. /”No verão em que lidavas?” /À pedinte ela pergunta. /Responde a outra: – “Eu cantava, noite e dia, a toda a hora.” – “Oh! bravo!”, torna a formiga./- “Cantavas? Pois dança agora!”)

(FONTE:NOVA ESCOLA, Revista: Carta na Escola, Blog:Democracia Política, Wikipedia)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s